3.10.09

O Cérebro Moribundo


Sensação de Calma, Revisão da Vida, Luz Brilhante...
Num momento angustiante em que pensamos que vamos morrer, não sentimos ansiedade nem desespero, nem dôr, mas sim uma calma grave, uma aceitação profunda, uma agilidade mental dominante e um sentimento de segurança. O tempo demora a passar. Em muitos casos, acontece uma revisão repentina do passado, ouve-se uma música agradável e senti-mo-nos a vaguear por um céu azul com nuvens côr de rosa.
Com a morte próxima: O tempo passa mais devagar e tudo acontece em câmara lenta, invade-nos uma sensação de calma, sem emoções, apesar da percepção do perigo.
É possível que estas sensações sejam parte de um mecanismo nervoso face ao perigo. Em particular, a despersonalização intensifica o estado de alerta e amortece as emoções desorganizadoras, o que explica a sensação de calma enquanto se luta por sobreviver.
Li o livro "Vida Depois da Vida", o seu autor, Raymond Moody Jr., tinha sido professor de filosofia e nesse momento estudava medicina. Sem grandes pretensões, a maior parte do livro é dedicado aos testemunhos de pessoas que tiveram experiências próximas da morte (EPM). No livro aparece a sequência de factos, supostamente prévios à entrada no Além: uma sensação impossível de descrever, ouvir o anúncio da própria morte, um sentimento de paz e tranquilidade, um ruído, entrar num túnel escuro, sair do corpo, o encontro com familiares falecidos; o ser luminoso, a revisão da vida, a fronteira e o regresso. Estes passos, ou a maior parte deles, são vividos somente por 10% de pessoas que sofriam uma EPM, experimentam a entrada na luz, ou seja, têm uma EPM completa.
Com os hindus, é diferente. Os ocidentais desejam ficar nesse mundo feliz, enquanto os orientais, assustados, preferem voltar. O mesmo se passa com a visita de familiares na cultura ocidental, costuma ver-se uma mulher, enquanto na hindu aparece um homem.
Em África, as EPM não coincidem em quase nada com as dos países ocidentais: "Fui a um lugar onde encontrei muita gente vestida de branco e a cantar. Pareciam muito felizes. Quando apareci, deixaram de cantar e alguém disse: Eh! Não estamos à tua espera. Lamento. Dei meia volta e vim-me embora. Pude ouvi-los a começar a cantar quando já me tinha afastado. " Experiências diferentes têm também no Oriente, por exemplo, na Melanésia, as pessoas afirmam que andaram por um campo de flores e que um homem lhes deu a mão e as levou para uma aldeia.
O curioso é que se podem induzir EPM, sem estar a ponto de morrer. Num tanque de isolamento sensorial (um contentor onde a pessoa fica privada de qualquer sinal exterior ao seu corpo), produzem-se fenómenos visuais idênticos. A quetamina, um anestésico utilizado durante a guerra do Vietmane, foi abandonada pelos efeitos secundários que provocava: sensação de saída do corpo e visão de luzes brilhantes. Injecções intravenosas de quetamina provocam quase todas as sensações de uma EPM. A psicóloga Susan Blackmore conseguiu ter uma EPM em condições de cansaço extremo, depois de fumar haxixe.
As EPM não são um objectivo prioritário de investigação e realizaram-se poucos estudos sérios sobre o assunto. A influência da cultura, o papel desempenhado pelo tipo de processo que leva a esse estado, os efeitos secundários dos medicamentos apontam para um processo do cérebro moribumdo. Talvez sejam um estado mental de quem nada pode fazer para aumentar a sua probabilidade de sobreviver a uma crise, uma forma de acalmar o sistema nervoso e conservar a energia. Seguramente, a explicação não reside num fenòmeno, mas na soma de vários: fisiológicos, bioquímicos, psicológicos... O tempo o dirá.
Lumenamena

2 comentários:

  1. Falando em morte (de novo), acho que é melhor nem pensar muito nela, porque depois que eu fiquei a saber que 50% delas são doloroas, que até quem morreu em 10 segundos nos atentados ao metrô de Madrid e que só 10% das pessoas, ao sentirem ela chegar, conseguem aceitá-la estoicamente... isso me dá calafrios.

    ResponderEliminar
  2. Abdul Hakim,

    Porque não pensar na morte?
    A morte é um fenômeno que chama a atenção do homem desde as suas origens, talvez por isso muita informação, relatos, já utilizaram inúmeras formas para explicar o que acontece no preciso instante, em que supostamente o corpo abandona o mundo terreno.
    A morte é uma experiência inevitável pela qual cada um de nós irá passar. É a maior verdade de toda a vida, o ponto da trajectória da alma na matéria.
    Há que aceitar naturalmente.

    Abraços,
    Lumena

    ResponderEliminar